Março de 2006 - Janeiro de 2009

12
Dez 08

Ontem à noite desloquei-me ao Campo Pequeno para assistir a uma actuação dos Gogol Bordello. Devo referir de antemão que em relação à banda nada tenho a apontar. Os artistas são realmente bons artistas, animação e cantoria com fartura, tudo bem disposto, uma alegria. O som era uma merda, o que é típico em Portugal, mas isso ainda é o menos. Quem quer ouvir música ouve em casa. A um concerto vai-se por razões distintas. E é mesmo neste ponto que residem as minhas criticas. O que raio foram aquelas pessoas ali fazer?

Ao chegar ao recinto deparei-me com uma serie de situações muito estranhas. Primeiro que tudo estava a ouvir música no Campo Pequeno. A ideia de ali ir sem ser para assistir a touradas é no mínimo estranha. O que eu ali espero encontrar são lides e pegas de caras. E caso haja musica, que seja passe dolbe. Ao observar a arena só me interrogava onde eram os curros e a bancada do director. E olhava espantado para a presença de um palco ali estampado no meio. Um pouco mais distraído e dava por mim aos berros para a plateia a pedir que saíssem dali porque a ganadaria Brito Paes estava a abrir serviço.

E reparem que eu disse gritar para a plateia. Sim, eu fiquei na bancada. Como não conseguimos arranjar bilhetes para a plateia tivemos de ir para a secção de reformados. Há muito concerto em que é preferível estar sentado mas este não era certamente um deles. Parecíamos um grupo de velhas com os casacos a fazer de manta, a ver a juventude aos pulos lá em baixo.

Mas para além de tudo isto, a minha principal revolta prende-se com o ambiente. Que gente era aquela? No meu tempo ir a um concerto era tudo menos aquilo. Muito menos Punk e ainda por cima cigano. Com um nome destes seria de esperar tiroteio e facada nos primeiros dez minutos.

No meu tempo ir a um concerto significava jogar com a vida. Punk? Vocês sabem lá bem o que é Punk. Punk-Rock é estar num barracão em Camarate com o João Ribas de um lado e do outro um grupo a digladiar-se à facada. Agora aquilo. Que cambada de meninos! Aposto que a esta hora ainda estão a perguntar quem é o João Ribas. Olhem, quem não é eu posso-vos dizer. Não é ninguém que tenha feito um dueto com o Luís Represas.

E o ir à casa de banho. Como é possível entrar ali num WC e cheirar a limpeza? Ir a uma sanita e não estar coberta de grego? Não ter que passar por cima de um gajo a esvair-se em sangue devido a chuto mal dado? Ali com a seringa pendurada num braço a mudar o apelido para Overdose dos Santos. Passar nos corredores e não vir um gajo que mais parece o Marcel Marceau a fazer de mimo com a cara toda branca pela quantidade de coca que afocinhou não é nada.

No meu tempo ir a um concerto de punk-rock significava chegar meio bêbado, sair de rastos e fumar um maço de charros. Metade deles à borla só devido ao facto de se estar naquele nevoeiro. Ali nem se podia fumar. Nem a merda um cigarro. Quanto mais uma gansa a transbordar haxixe e cavalo. Aí ó que nós chegámos.

 

publicado por Velho Jarreta às 01:43

2 comentários:
É verdade, mas a ideia violenta de assistir à entrada de 4 touros (daqueles bem "grunhos") pela arena a dentro de cornos em punho, prontos para dilacerar as pernas de putos freaks ciganos com barretes à tibetano, alegrou logo a festa.
O punk-rock?! Esse está morto...
Suricata a 12 de Dezembro de 2008 às 09:12

Isso é que era uma ideia boa para por em prática. Eu estive no Coliseu de Roma por alturas da tomada de posse de Octávio César Augusto e aí sim. Aí é que havia farrabadó Aquilo era touros, tigres e muita bicheza à trolhada a tudo o que mexia. Bons tempos.
Velho Jarreta a 12 de Dezembro de 2008 às 16:32

Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

15
18
19
20

22
23
24
25
26
27

30
31


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Nº de pessoas presentes
Nº de leitores
free hit counter
hit counter
blogs SAPO