Março de 2006 - Janeiro de 2009

19
Dez 06

A pior coisa que uma mulher nos pode chamar é amigo. Se formos ver ao dicionário este substantivo masculino é definido por "Pessoa a quem se está ligado por uma afeição recíproca". É falso, completamente falso. Não há reciprocidade nenhuma, ambos vêem e acham do outro coisas completamente diferentes. E aposto que existe uma ligação tão forte como um quadro colado à parede com cuspo. O que deveria vir no dicionário, quando nos referimos a esta situação em particular, deveria ser "Tipo que jamais terá sexo comigo e que, apesar de não ser má pessoa, desejo-o tanto como uma bolacha de água e sal, já meio mole, após uma farta refeição".

Após ter sido utilizada esta palavra a mulher desresponsabiliza-se totalmente de qualquer sinal de afectividade para com o homem. Ele deixa de ser amante, amigo, gajo porreiro ou outra coisa qualquer de jeito. Ele entra num espaço mais distante que a 5ª dimensão ou Trás-os-Montes, pois ele passou a ser, para ela, um amigo. Mas ela não é amiga dele, nada disso, alias ninguém aqui está a falar de amizade, estamos sim a falar de amigos.

Se uma mulher for, verdadeiramente, nossa amiga jamais utilizará tal termo, nem que seja por uma questão de respeito. Primeiro não precisa, pois tem um certo à vontade connosco e não está com aquele receio constante que a gente lhe salte para cima como um cão com o cio. Segundo, já alguma vez se viraram para um grande amigo e o trataram por este termo? Claro que não. Para chamar as pessoas que mais gostamos utilizam-se termos como estúpido, cabra, besta, energume , animal e outros mimos similares. Se tratamos alguém com uma extrema simpatia ou é porque não temos à vontade com essa pessoa ou então estamos a ser hipócritas, Todos sabemos isto, é senso comum.

É bastante curiosa esta utilização, altamente subversiva, de uma palavra que define um dos sentimentos mais fortes e duradouros que a raça humana tem memória, de modo a destorce-la do seu significado original. Demonstra aquilo que de mais falso temos, permite-nos esconder aquilo que sentimos e dar uma imagem imaculada perante os outros. Dá-nos um modo de nos desculparmos de qualquer eventual consequência dos nossos actos, e acima de tudo permite-nos seguir em frente. Sem sabermos bem para onde, mas em frente que para trás mija a burra.

publicado por Velho Jarreta às 19:10

comentário:
É esse e o "És como um irmão..."
Mais vale como primo...
Piri a 26 de Dezembro de 2006 às 13:49

Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Nº de pessoas presentes
Nº de leitores
free hit counter
hit counter
blogs SAPO